Ads 468x60px

Chapter #098 - Crash Bandicoot 2


Nome do jogo: Crash Bandicoot 2: Cortex Strikes Back
Desenvolvedora: Naughty Dog
Gênero(s): Ação, Plataforma, Aventura
Modos de jogo: Single Player
Ano de lançamento: 1997
Plataformas: Playstation

Capítulo 98 da saga Mario Verde Games, e o game de hoje é o segundo da trilogia Crash Bandicoot, claro que estamos falando de Crash Bandicoot 2: Cortex Strikes Back. Foi um game bastante aclamado na época, por contar com belos gráficos, e fases emocionantes, com uma jogabilidade bem mais aprimorada em relação ao anterior, além da história que é bem divertida, sem dúvidas um dos mais divertidos games de todos os tempos, que merecia sim ter sequencia nas atuais gerações de vídeo games. É um jogaço que fechei com tudo o que era possível fazer no jogo! (E demorou heim!).



ENREDO:
A história começa exatamente aonde ela termina no game anterior, com o N. Cortex caindo, e se esborrachando no chão, é claro que ele sobrevive, o vilão encontra um cristal misterioso, imediatamente sua mente maligna tem uma ideia. Cerca de 1 ano depois Cortex projeta uma estação espacial para desenvolver um novo Vórtex para fazer todos os seres do planeta virarem seus seguidores.

Enquanto isso na Terra, Crash descansava ao lado de sua irmã cocô Coco, mas trágicamente nosso herói foi abduzido por Cortex, indo parar em um misterioso local com portais interdimensionais com destino as 'fases' do jogo, e é aí que a aventura começa, com Crash procurando os misteriosos cristais para tentar por fim aos planos malvados de Cortex e sua trupe.

Convenhamos que não é uma história digna de óscar, mas é infinitamente melhor do que as clichês de salvar a princesa do vilão malvado kkkkk.


JOGABILIDADE:

A jogabilidade melhorou bastante, no primeiro game era possível apenas pular e girar, em Crash 2 foram atribuídos novos movimentos ao marsupial, como agachar, deslizar, engatinhar, pular de barriga, entre outros. Como o game foi feito após o lançamento dos controles analógicos, ficou mais fácil para jogar também, apesar de que se você usar um controle comum, não terá dificuldades.

As fases seguem o mesmo esquema, seguir um caminho linear, com bifurcações, em busca do cristal e de quebrar todas as caixas para conseguir as gemas. Além de novos bônus super divertidos que foram meigamente adicionados ao jogo.

Outra novidade são as fases especiais, aonde você não vai de a pé, como normalmente, nessas fases você terá que jogar utilizando alguns artifícios, como por exemplo um jet-pack, uma espécie de prancha, e até mesmo um ursinho polar, isso mesmo, montarias no maior estilo Donkey Kong.

A câmera do jogo é bastante interessante, na maioria das fases ela segue você, como em jogos de 3ª pessoa, nas fases que lembram plataforma, ela simplesmente vai indo para o lado, o único problema é quando você quer ir para trás nas fases de 3ª pessoa, pois a câmera não vira, e poderá ser complicado, fora aquelas fases em que você é obrigado a andar para trás.

Os chefes também estão presentes, e cada vez mais apelões, porém super divertidos e nem tão impossíveis assim!


GRÁFICOS:
A parte gráfica ficou maravilhosa, cores bem vivas, um tridimensional bacana, e efeitos visuais super trabalhados. O visual do Crash também melhorou muito, o personagem ficou bem mais agradável, os demais inimigos também ficaram ricos em detalhes.



TRILHA SONORA E EFEITOS SONOROS:
A trilha sonora característica da série, repleta de efeitos tribais e épicos, também ganhou um upgrade, com novas harmonias e várias músicas que combinam perfeitamente com a temática das fases.

Os efeitos sonoros também melhoraram, da pra notar a melhora desde a quebra de caixas, explosões e tudo mais, ponto pra Naughty Dog.

MODOS DE JOGO:
Até aonde eu me lembro, o único modo é o campanha single player mesmo, mas isso não desmerece este fantástico game.


DICAS:
E inaugurando um novo pequeno quadro do nosso blog, aí vai algumas dicas do game:

Enfrentar um chefão novamente:
No centro da Warp Room já concluída, segure L1 + R1 + L2 + R2 + Triângulo e aperte pra cima.

Warps secretos:

Bear Down
No final da fase,quando você sai de cima da montaria, perceba blocos de gelo flutuando na água. Pule até o bloco de gelo Rosa. Você será teletransportado.

Air Crash
Na segunda vez que você ver o Jet Ski, não o pegue. Pule pelas caixas até a plataforma. Você será teletransportado e conseguirá pegar a gema Vermelha.

Unbearable
Após a última parte de perseguição com o urso polar gigante, volte e procure um filhote. Chegue perto dele e você será teletransportado.

Hangin' Out
Quando você cair na água onde não tem enguias, não prossiga.
Volte e entre caia dentro de um buraco, mais adiante tem um monte de vidas e bichos rodando.
Para passar dessa parte e acessar a área secreta, não deixe que os bichos peguem o Crash.

Diggin' It
Perto do fim da fase, tem uma planta carnívora em cima de um pilar diferente dos outros, verde com bordas brancas. Mate a planta e você será teletransportado.


AVALIAÇÃO MARIO VERDE GAMES:

E agora a avaliação do game segundo nossos produtores



CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Prós: A trilogia principal é fantástica, e esse game ficou sensacional, divertido e emocionante.
Contras: Algumas fases são muito parecidas com outras, isso pode deixar o game um pouco enjoativo, mas como o jogo possui muitas fases, podemos dar um desconto nisso.

RESUMINDO:
Crash Bandicoot 2 é um game para todas as idades, mesmo sendo single player, é super divertido convidar um amigo pra brincar junto, pois certamente esse game causará grandes risadas, além de pura diversão, em breve irei jogá-lo novamente para matar a saudade que dói.


GAMEPLAY:


E é isso aí pessoal, esse foi capítulo de número 98 da saga Mario Verde, falamos sobre Crash Bandicoot 2: Cortex Strikes Back de Playstation! Até mais!

Chapter #097 - Mighty Morphin Power Rangers


Nome do jogo: Mighty Morphin Power Rangers
Desenvolvedora: Bandai
Gênero(s): Luta, Plataforma, Beat 'em up
Modos de jogo: Single Player
Ano de lançamento: 1994
Plataformas: Super Nintendo

Muito bem, mais um capítulo da saga Mario Verde Games, capítulo número 97 e o game de hoje é muito especial, talvez você não tenha jogado ainda, mas com certeza o tema do jogo fez parte da sua infância, uma das franquias mais populares da TV Globinho e tudo mais, estamos falando de Power Rangers! Mais especificamente sobre o game Mighty Morphin Power Rangers, lançado para Super Nintendo no ano de 1994! Lembro que eu aluguei esse game mas não consegui fechar, pois eu era um Anubis e jogava mal pacas, mas um tempão depois fechei ele facilmente no emulador. Os gráficos e a trilha sonora eram medianas, mas isso não importava, era Power Rangers!



ENREDO:

A história do game segue o mesmo esquema da série de TV, aonde a bruxa malvada Rita Repulsa feiticeira intergalática, juntamente com sua cambada de capangas idiotas libertam uns vilões problemáticos que estavam presos e adivinhem, isso mesmo, eles tentam dominar o mundo e os Power Rangers são encarregados de acabar com os malvados, eles são cinco adolescentes selecionados por Zordon para proteger a Terra de Rita e sua gangue, cada um recebe um uniforme com cores e identidades secretas simbolizadas por dinossauros e seres antigos, juntamente com armas poderosas e robôs gigantescos em forma de zords.


JOGABILIDADE:

A jogabilidade desse game não trouxe nenhuma novidade, nada além de um Beat 'em up comum, com a problemática de ser single player, você podia socar, chutar, lançar objetos e outras coisas comuns em jogos do gênero, primeiramente você escolhia um dos cinco rangers:

Ranger Vermelho: Jason, com seu Zord Tiranossauro
Ranger Preto: Zack, com seu Zord Mastodonte
Ranger Azul: Billy, com seu Zord Triceratops
Ranger Rosa: Kimberly, com seu Zord Pterodáctilo
Ranger Amarelo: Trini, com seu Zord Tigre Dentes-de-Sabre

A equipe da Bandai mandou bem em caracterizar os personagens com diferentes habilidades, por exemplo, Jason é bem forte, enquanto Billy é um merdão, tal como na TV, cada personagem também conta com um golpe especial, que elimina todos os inimigos presentes na tela. Os chefões também não merecem nenhum destaque, talvez o único destaque seja a presença do MegaZord, as animações ficaram bem legais até.


GRÁFICOS:
Cenários bonitos e bem trabalhados, cores não tão vivas dando um aspecto um pouco sombrio, no geral os gráficos estão bonitos, nada de inovador, parte falha é o excesso de músculos das personagens femininas, mais parecem uns travecos, mas tudo bem, pelo menos quando os jovens estão em sua forma humana, eles possuem características próprias baseadas nos atores da série de TV (exceto o Billy, que ficou gordo pacas). Comparando com outros games lançados na mesma época, esses gráficos decepcionam bastante, mas vendo em um todo, até que da pra considerar.


TRILHA SONORA E EFEITOS SONOROS:

Efeitos sonoros ultra simples, utilizando-se dos clássicos 'pow', 'wosh' etc. A trilha sonora do jogo aparece em praticamente todo momento do jogo, e não é lá grandes coisas também, porém em alguns momentos você notará o clássico 'Go Go Power Rangers' elevando seu animo ao infinito dando até vontade de morfar.


MODOS DE JOGO:

Somente o modo campanha, aonde você escolhe um dos Rangers e sai na porrada, além de um pequeno e idiota modo secreto multiplayer com batalhas de Megazord, mas não vale a pena.


AVALIAÇÃO MARIO VERDE GAMES:

E agora a nossa avaliação sobre Mighty Morphin Power Rangers


CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Prós: É Power Rangers! A história é legalzinha e o jogo é legalzinho, nada mais, nada menos.

Contras: Gráficos comuns, jogabilidade comum, tudo comum, não tem nem a popular faísca que sái quando os Rangers golpeiam seus inimigos, o game conta com pouquíssimas fases também, e o pior de todos, o Ranger mais foda de todos foi excluído do game, então nada de Tommy, o Ranger Verde/Branco.


RESUMINDO:

Se você é um verdadeiro fã de Power Rangers, ou se simplesmente você assistia quando criança, vale a pena conhecer o game, vai ter alguns minutos de diversão, caso contrário se afaste desse jogo, não vai trazer nada de útil pra você.

Sim, eu tive desses bonequinhos *----------*

GAMEPLAY:


E é isso aí pessoal, esse foi capítulo de número 97 da saga Mario Verde, falamos sobre Mighty Morphin Power Rangers de Super Nintendo! Até mais!

Chapter #096 - Street Fighter Alpha


Nome do jogo: Street Fighter Alpha
Desenvolvedora: Capcom
Gênero(s): Luta
Modos de jogo: Single Player / Multiplayer
Ano de lançamento: 1995
Plataformas: Playstation
 
Estamos de volta após umas férias merecidas, pedimos desculpas aos 'fãs' se é que temos algum, pela suprema demora para sair um post novo, mas voltamos, não com a mesma frequência de antes, mas certamente melhor do que nada hahaha.
E pra voltar com estilo, capítulo 96 da Saga Mario Verde Games, falaremos hoje de um jogo que eu gosto muito, jogava tanto que fazia bolha nos dedos direto, claro que estou falando de Street Fighter Alpha: Warriors Dreams, conhecido no oriente como Street Fighter Zero, o game foi lançado em 1995 primeiramente para Arcade, depois foi convertido em inúmeras plataformas, porém ficou mais conhecido no Playstation. A parte gráfica do game em relação a outra série Street Fighter é notável, a jogabilidade também sofreu alterações, além da trilha sonora bem mais definida, com qualidade superior, um clássico dos games que acabou tornando-se uma série clássica pois foram lançados mais games na sequência.




ENREDO:

Diferentemente do que a maioria dos jogos tradicionais de luta, este game realmente possui um enredo, não é fantástico, mas é interessante, cada personagem possui uma história própria, aonde acabam cruzando com os outros lutadores, a história acaba contradizendo com fatos do primeiro game, mas isso não prejudica em nada, por se tratar de uma outra série.


JOGABILIDADE:

A jogabilidade de Street Fighter Alpha foi bem inovadora, movimentos bem mais rápidos que os outros, além da inclusão de novos combos e golpes especiais, mais conhecidos como 'Supers'. Alguns combos são extremamente fáceis de serem realizados, como por exemplo os golpes de Ryu e Ken, em contra partida alguns dos personagens possuem golpes muito difíceis de serem executados, até hoje não faço ideia de como se luta bem com determinados characters, por isso acaba ficando inevitável a escolha de um mesmo personagem, no caso o que você mais gosta. No meu caso só uso o Ken Masters, e sou bem apelão com ele, (aceito desafios) hahaha, mas sei jogar com mais alguns carinhas. Os Supers ficaram maneiríssimos, Agora você pode atirar Super Hadoukens, e Super Shoryukens pra todo lado e sair pro abraço.

Quanto aos personagens do game, do clássico Street Fighter 2 temos apenas Ryu,Chun-Li, Ken e Sagat, porém ressuscitaram alguns personágens do antigo Street Fighter 1, além da adição de alguns novos, além da novidade, trouxeram personagens portados de outros games! Pra quem já conhecia Final Fight foi algo genial Guy e Sodom prontos pra dar porrada em SF!


GRÁFICOS:

Os gráficos do jogo são fantásticos, o tom meio desenho animado com cores bem vivas é bem aceito até os dias de hoje, os personagens agora estão mais ricos em detalhes, além claro dos backgrounds das fases que são lindos demais. As animações dos golpes especiais também são lindas e cheio de luz e brilho (que fofo).




TRILHA SONORA E EFEITOS SONOROS:

A trilha sonora como já mencionei antes, é fantástica, cada cenário com seu tema tradicional com uma nova roupagem, bem mais dinâmica e divertida, músicas que realmente ficam na cabeça de qualquer fã, quanto aos efeitos sonoros, agoooora siiiiiiiiiiiiiiiiimmm, as vozes dos personagens estão perfeitas! Não é mais aquela coisa tosca gravada dentro de uma lata de Guaraná Jesus aonde pouco se entendia o que os personagens falavam... "taptap tarugue, shoriugui, alex full", agora temos um som de verdade, aonde é possível ouvir perfeitamente o nome dos golpes de cada personagem! Além dos demais efeitos sonoros que também ficaram lindos demais, com destaque especial para o barulhinho de quando se está carregando o Super, fantástico!

MODOS DE JOGO:

Quanto aos modos, temos o clássico "escolhe um personagem e enfrenta todo mundo", além do multiplayer, não me lembro bem se tem o modo Treino, mas deve ter rsrsrsrs. Mas o modo que mais chama atenção é o novo modo de sobrevivência, segue a mesma tendência do modo principal, porém seu HP não se recupera totalmente após cada luta, é como se você estivesse MESMO, lutando uma luta após a outra. Então bora aprender a ganhar de Perfect!

AVALIAÇÃO MARIO VERDE GAMES:

Pra não perder o costume, vamos com a tradicional só que nem tanto avaliação Mario Verde.


CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Prós: A jogabilidade é muito boa e bem divertida, as inovações foram bem aceitas pelo público trazendo novos e divertidos, mas o melhor mesmo é o fator diversão, pra quem gosta de uma lutinha rápida, desafiar amigos, formar calos nos dedos, esse é o game certo.

Contras: De contra, apenas o fato de ter poucos personagens no game, coisa que foi arrumada nas outras edições, e o fato de existir golpes impossíveis de serem realizados por humanos mortais, mas, como o público alvo é o Japão mesmo, pra eles isso é mais fácil que comer banana descascada, então estão perdoados.


RESUMINDO:

Street Fighter Alpha: Warriors Dreams pra mim é um dos melhores games de luta das gerações passadas, como sou fã da série sou suspeito de falar, mas pra mim só perde pro Street Fighter Alpha 2 hahaha, enfim, pra quem gosta de luta, é o primeiro game de uma trilogia impecável, com certeza vale a pena conhecer.


GAMEPLAY:


E é isso aí pessoal, esse foi capítulo de número 96 da saga Mario Verde, falamos sobre Street Fighter Alpha: Warriors Dreams de Playstation! Até mais!

Confira outros Games Clássicos que você poderá gostar também!